sexta-feira, 5 de julho de 2013

PLANO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

"Comece fazendo o que é necessário, depois o que é possível,
e de repente você estará fazendo o impossível"
São Francisco de Assis



            Já postamos aqui no blog as avaliações diagnósticas, modelos de Planejamento Bimestral e modelo de Plano de Aula. Cada um deles são passos importantes para chegarmos a Intervenção Pedagógica. Após aplicar as avaliações diagnósticas, muitos professores ficam perdidos, sem saber o que fazer depois. Muitas vezes apenas refazem a avaliação e dão uma nota. Mas nós sabemos que não pode ser só isso.
           
           Enquanto professor, eu preciso saber o que o meu aluno sabe e o que ele não sabe individualmente, pois cada ser humano é ímpar. Sendo assim, preciso conhecer meu aluno e a avaliação diagnóstica me dá esse conhecimento. A partir disso, conhecendo (nominalmente) quem não sabe A, X e Y eu tenho condições de intervir e trabalhar com aqueles alunos que precisam mais de mim. Seja através de monitoria, seja contando com a ajuda de um professor excedente, seja contando com a ajuda do professor de uso de biblioteca ou mesmo do especialista, é importante tirar um tempo para reforçar essas habilidades apenas com os alunos não consolidaram determinada habilidade, pois se eu faço isso com a turma toda pode gerar desinteresse e indisciplina naqueles que já consolidaram essa determinada habilidade e se sentirá desmotivado.
            Como trabalhar com a Intervenção? Primeiramente preciso fazer um Mapa ou Tabulação dos resultados, neste mapa coloco o nome dos alunos, as questões que os alunos erraram de uma cor ou com um símbolo e as questões que os alunos acertaram com cor ou símbolo diferente. Por esse mapa visualizo claramente aqueles habilidade que não foi consolidada, quem são os alunos que não acertaram essa questão e muitas coisas que deixaremos para outro post. =)
Vamos nos ater ao Plano de Intervenção, após visualizar quem são esses alunos pelo mapeamento e qual habilidade que ele tem dificuldade, agrupamos eles por habilidade não consolidada; exemplo: pelo mapa verifiquei que muitos alunos erraram o D2 (localizar informação explícita em um texto) e que os alunos foram Pedro, João, Alice, Márcia, Karla, Lucas, Amanda, Luciana, José Augusto, Arthur e Sabrina. Após conhecer moninalmente os alunos, qual a dificuldade eu monto um Plano com dia específico para trabalhar essa dificuldade.
                Pode parecer complicado, mas na prática não é. E pode acreditar o resultado será excelente!

         Segue em anexo o modelo para Mapear ou Tabular os resultados, um modelo de Plano de Intervenção Pedagógica e  duas apostilas do NAME (Núcleo de Apoio a Municipalização do Ensino) uma do 5º ano, mas que pode ser utilizado no 6º e 7º anos e outra do 9º ano que pode ser utilizada também no 8º ano. Essas apostilas contém um exemplo + cinco questões referentes a um mesmo descritor, na apostila vocês irão encontrar os descritores do SAEB, que vão se diferenciar dos nossos descritores apenas pelo número. Exemplo: no PROEB, o D2 que citamos acima, corresponde ao D1 no SAEB. Essas apostilas podem e devem ser utilizadas para a Intervenção pois contém várias atividades de cada descritor e vem primeiramente a de Matemática, a partir da página 97 vem a apostila de Língua Portuguesa. Aproveitem o material!
  

            Para que não conhece, o SAEB é o Sistema de Avaliação da Educação Básica é composto por duas avaliações complementares:A primeira, denominada Aneb – Avaliação Nacional da Educação Básica, abrange de maneira amostral os estudantes das redes públicas e privadas do país, localizados na área rural e urbana e matriculados no 5º e 9º anos do ensino fundamental e também no 3º ano do ensino médio. Nesses estratos, os resultados são apresentados para cada Unidade da Federação, Região e para o Brasil como um todo. A segunda, denominada Anresc - Avaliação Nacional do Rendimento Escolar, é aplicada censitariamente alunos de 5º e 9º anos do ensino fundamental público, nas redes estaduais, municipais e federais, de área rural e urbana, em escolas que tenham no mínimo 20 alunos matriculados na série avaliada. Nesse estrato, a prova recebe o nome de Prova Brasil e oferece resultados por escola, município, Unidade da Federação e país que também são utilizados no cálculo do Ideb. As avaliações que compõem o Saeb são realizadas a cada dois anos, quando são aplicadas provas de Língua Portuguesa e Matemática, além de questionários socioeconômicos aos alunos participantes e à comunidade escolar.

Um comentário:

  1. Bom dia professora, parabéns pelo seu trabalho e obrigada por permitir acesso de suas atividades, desculpe -me a ousadia, pois irei utilizá-las com meus alunos. Excelente material, abraço!!

    ResponderExcluir